Integração de Angola na FEI trará benefícios incomensuráveis

Integração de Angola na FEI trará benefícios incomensuráveis

O secretário-geral da Federação Equestre de Angola (FEQUANGOLA), Paulo Alexandre Arrais, afirmou esta sexta-feira, no Lubango, província da Huíla, que com a integração do país como membro da Federação Equestre Internacional (FEI) Grupo IX haverá maior desenvolvimento da modalidade no território nacional.

Em declarações à imprensa, depois da Comitiva da Federação Equestre Internacional (FEI) liderada por Mary Binks do Kenya acompanhada do juiz internacional português, João Moura, ter visitado a escola equestre da Huíla, no âmbito da avaliação e inspecção às condições da (Fequangola), Paulo Alexandre Arrais acrescentou que a filiação abrirá portas a participação de Angola em eventos internacionais.

A Federação Equestre de Angola está a fazer de tudo para que nomeação seja materializada, pois aproveitará todos os programas de desenvolvimento da FEI.

“Como sabem a FEI é uma federação bastante exigente e a FEQUANGOLA tem cumprido os requisitos estabelecidos, fruto disto que é que já fomos convidados em Novembro passado como observadores da Assembleia-geral em Genebra”, realçou.

Paulo Alexandre esclareceu que a federação ainda é nova e o hipismo em Angola tem algumas particularidades, mas com tempo as coisas poderão expandir-se, sendo que uma das apostas é a formação de atletas.

Sobre o espaço que a cidade do Lubango tem prestado no desporto equestre, afirmou que a federação tem acompanhado e apoiado a escola da Huíla, como o caso da Policia Montada, o que tem atraído mais praticantes.

Actualmente, Angola conta com quatro centros hípicos. Trata-se de Gimunalo, na Funda, o do Kikuxi, da Polícia Montada e o centro equestres da Huíla. Está prevista ainda para este ano a inauguração dos centros do Huambo, Benguela, Namibe e criação de um outro no Cuando Cubango.

Fazem parte da FEI grupo IX 11 países: África do Sul, Republica Democrática do Congo, Namíbia, Zâmbia, Zimbabwe, Ilhas Maurícias, Madagáscar, Senegal, Moçambique, Malawi e Lesotho.

Categorias: Internacional, Notícias