Personalidade do Mês: António Vozone

Personalidade do Mês: António Vozone

Bicampeão de Portugal de Saltos de Obstáculos, cinco vezes vice-campeão, cinco vezes bronze, olímpico em Atlanta (1996), estes são alguns dos títulos e resultados de expressão no palmarés de António Vozone.
Natural de Lisboa, a sua paixão pelo hipismo começou em Cascais, na Quinta da Marinha. Hoje com 49 anos, o cavaleiro vive uma das melhores fases da sua carreira e aposta em “Lacy Woman” como o seu cavalo de topo.

Nesta entrevista exclusiva ao Portal Equisport, António Vozone conta-nos como foi o seu início, fala-nos sobre as suas principais referências nas pistas, nos seus melhores momentos e os seus gostos pessoais. Conheça um pouco mais sobre António Vozone, um dos grandes cavaleiros portugueses da actualidade.

1243971665vozone62

Legenda da foto: António Vozone na Quinta da Marinha (1972)

EQ: Quando e onde começou a montar?
AV: Foi através dos meus irmãos mais velhos que frequentavam as aulas do Coronel Paes, que aos 6 anos, comecei a montar na Quinta da Marinha.  Aliás foi Adelaide Braamcamp a pessoa que me pôs em cima de um cavalo pela primeira vez. Nessa altura a minha experiência foi de “pavor” e sei que todos se riram imenso de mim na altura… Entretanto tinha uns primos que viviam na Quinta do Mocho em Santarém, que tinham cavalos e quando passava lá as férias (montávamos os cavalos da quinta) e íamos dando uns saltinhos com os cavalos da quinta. Mais tarde comecei a montar na Quinta da Marinha com um grupo de cavaleiras inglesas que se dedicavam ao concurso completo de equitação, daí eu ter vencido primeiro o Campeonato de Portugal de Concurso Completo em 1972.

EQ: Quais foram os seus principais professores no hipismo?
AV: Foi através da minha irmã mais velha Teresa (Campeã de Portugal de Juniores – 1975) que tinha aulas com o Coronel Martins Abrantes, que comecei a montar na GNR. Foi a primeira pessoa que me fez sentir o cavalo de uma forma diferente, entender as ajudas e o mecanismo do cavalo. Entretanto o Coronel Martins Abrantes passou a ir aos sábados à Quinta da Marinha dar umas lições a mim e às minhas irmãs. Mais tarde passei umas férias de Verão com o Manuel Malta da Costa o que me ajudou bastante.

EQ: Tem um estilo muito clássico, as suas ajudas em cima do cavalo são muito discretas, como as desenvolveu?
AV: O cavaleiro que teve uma grande influência no meu estilo foi sem dúvida Manuel Malta da Costa. Depois observando outros bons cavaleiros e com muito trabalho e treino, consegui aperfeiçoar o meu estilo da melhor forma possível.

EQ: Qual a importância que dá a um cavalo com ensino ou seja, gosta de um cavalo de obstáculos que saiba um pouco de dressage ou é-lhe indiferente?
AV: Acho muito importante que o cavalo tenha umas boas bases de ensino é muito mais agradável montar um cavalo ensinado. Recordo-me de ter montado um cavalo que foi montado pelo Coronel Mathias na Quinta da Marinha, em que o Coronel me pediu para dar uns saltos, e realmente foi uma maravilha. Era um cavalo pesado, pertencia a Adelaide Braamcamp.

EQ: Qual o cavalo da actualidade que gostaria de ter? Qual o género de cavalo que mais lhe agrada.
AV: Gosto particularmente do cavalo “Hickstead” que é montado pelo canadiano Eric Lamaze. Tive a oportunidade de ver Eric Lamaze montar “Hickstead” em Madrid e o cavalo é uma pequena maravilha. Para mim ou para qualquer outra pessoa este seria o cavalo ideal…

EQ: Quais os momentos mais felizes da sua carreira?
AV: Um dos momentos mais felizes foi a minha participação nos Jogos Olímpicos de Atlanta com o cavalo “Mr Cer” em 1996. Tinha três ambições na vida, e uma delas já está concretizada que era participar numa olimpíada. A outra será um Rolex e a terceira um Mercedes… (risos…). Sinceramente, gostava de fazer o Campeonato da Europa e do Mundo e depois retirar-me.

EQ: Qual é o cavaleiro de obstáculos que mais admira?
AV: O britânico John Whitaker, a sua naturalidade e equilíbrio são sensacionais. Acho extraordinários os resultados que John Whitaker consegue por vezes montando cavalos tão maus. Vi John Whitaker ganhar o Grande Prémio de Gijon (2008) com o malhado “Utah”, que tenho a certeza que o cavalo não fazia uma prova a 1,30m, e agora o Grande Prémio do Global Champions Tour de Valência com o cavalo “Peppermill”. É um cavaleiro discreto, simples e acessível.

EQ: Tem preferência nos percursos traçados por algum chefe de pista em particular?
AV: Gosto dos percursos de Bernardo Costa Cabral. Não contêm ratoeiras, não põem distâncias complicadas, os cavalos vão melhorando progressivamente.

EQ: Se participasse numa clínica de saltos, quem escolheria para responsável?
AV: O suíço Thomas Fuchs, que já esteve em Portugal. Conhece a mentalidade portuguesa, tem uma vasta experiência e sabe transmitir os seus conhecimentos de uma maneira fácil e simples.

EQ: Para si, qual a qualidade/característica mais importante que procura, quando decide comprar um cavalo?AV: Procuro um cavalo que tenha principalmente uma boa cabeça, que seja calmo e que tenha força. Não tem que saltar muito alto.

EQ: Que conselhos daria a um cavaleiro amador que decida tornar-se profissional?
AV: Que se prepare para uma vida muito dura. Hoje em dia alguém que queira começar a montar a cavalo em Portugal e não seja “milionário”, esqueça! Não tem a mínima hipótese. É incomportável para um pai e uma mãe que vivem dos seus empregos, terem dois filhos a montar, cada um com o seu cavalo. Cinco mil euros por mês não chegam para fazer face às despesas todas. O mal disto tudo foi quando liberalizaram o preço das inscrições.

EQ: O que acha do nível do ensino no nosso país nas camadas mais jovens? Há professores e escolas à altura?
AV: Grave… Sabia que eu não posso dar um exame de Sela 4 ??? e sou treinador…Já quis candidatar-me para fazer o curso de instrutor, mas a minha vida profissional não me permite ir para Alter durante três semanas. A Escola Nacional de Equitação não nos facilita a vida, no entanto dou estágios na Noruega e na Dinamarca, e nesses países sou instrutor. Claro que para a minha vida profissional é completamente indiferente a credencial, mas lamento que em Portugal ainda não se tenha encontrado uma solução para o meu caso e de outros em situação semelhante. No nosso país só o Primeiro Ministro é que pode ser engenheiro sem diploma…

PERFIL

Nome completo: António Maria Cabral Vozone
Data de Nascimento: 16 de Junho de 1960
Local de Nascimento: Lisboa, São Sebastião da Pedreira
Um ídolo: O meu pai
Um passatempo: Cinema
Se não fosse cavaleiro, seria: Jardineiro
Uma qualidade: Trabalhador
Um defeito: Falta de concentração
Um livro: Equador
Um filme: As pontes de Madison County
Uma actriz: Meryl Streep
Um estilo musical: Rock
Um carro: Carrinha Mercedes
À Mesa : Pasta italiana
A sua Equipa: Benfica
Lugar que gostaria de conhecer: Austrália
Uma mania: Não batam com as portas e apaguem as luzes!

Categorias: Artigos, Saltos