As maiores corridas de cavalos de sempre

As maiores corridas de cavalos de sempre

As corridas de cavalo têm uma longa história a emocionar os fãs. Foto (c) Max Pixel/CC0 Public Domain

Existem diversos fatores envolvidos numa grande corrida de cavalos. Em primeiro lugar, o palco onde ocorre deve ser um dos maiores e mais prestigiados do mundo. O contexto da disputa também é importante para criar a melhor história possível. E para completar, os cavalos e jóqueis precisam de ser impecáveis.

Houve diversas corridas ao longo do último século que contaram com alguns desses elementos, e conhecê-las é importante para qualquer fã deste desporto que não para de crescer em Portugal.

A cobiçada taça de ouro de Cheltenham. Foto (c) lhourahane, via Wikimedia

 

Arkle (Pat Taaffe) contra Mill House (Willie Robinson) na Cheltenham Golden Cup

No dia 7 de março de 1964 ocorreu uma corrida de cavalos tão lendária, que inclusivamente foi criada uma música em sua homenagem, a famosa balada “Arkle”, criada pelo músico irlandês Dominic Benhan.

Tanto o jóquei Pat Taaffe e o seu cavalo Arkle, quanto Willie Robinson e o seu corcel Mill House (campeão da Cheltenham Golden Cup no ano anterior ao confronto) eram considerados invencíveis e o fato do primeiro representar a Irlanda, enquanto o segundo competia pela Inglaterra, tornava o confronto entre ambos ainda mais dramático.

A expetativa para a corrida alcançou níveis nunca vistos no desporto e o confronto foi tão épico quanto esperado. Os dois correram lado a lado durante uma boa parte da prova, mas um forte ataque de Pat Taaffee já perto do final colocou Arkle na liderança e fez com que este vencesse com uma vantagem considerável.

Após a impressionante vitória, Arkle, que foi criado no condado de Meath, na propriedade de Anne Grosvenor, famosa duquesa de Westminster, acabaria por tornar-se num dos mais importantes cavalos da história deste desporto, vencendo mais de 30 corridas em diferentes modalidades, incluindo mais duas Cheltenham Golden Cup (totalizando três vitórias consecutivas).

Frankie Dettori foi o protagonista de uma das maiores séries de corridas da história. Foto (c) Paul Friel de Guildford

 

Frankie Dettori (Diversos cavalos) e “As Sete Magníficas”

Ganhar apenas uma corrida num dia como jóquei não é tarefa fácil. E ganhar sete parece uma tarefa praticamente impossível. Mas aconteceu. Quem o conseguiu foi o jóquei italiano Frankie Dettori, durante a série de Ascot em 1996.

Para alcançar esse número de vitórias sem precedentes, Dettori foi acompanhado por sete cavalos diferentes (Wall Street, Diffident, Mark of Esteem, Decorated Hero, Fatefully, Lochangel e Fujiyama Crest) e teve que enfrentar diversos oponentes de grande renome, como Henry Cecil, montado no Bosra Sham durante a terceira corrida, e Ray Cochrane carregado por Abeyr.

Para se ter uma ideia da importância dessa série para o mundo, basta mencionar que, até então, a história de John “Bet a Million” Gates, famoso apostador em corridas de cavalos que jogava poker de stakes altas e bacará, era uma das mais famosas em relação ao mundo das corridas e uma das maiores lendas relacionadas ao desporto.

Depois dessa sequência impressionante de vitórias inesperadas, a história do apostador Darren Yeats passou a ser quase tão famosa como a anterior, e este tornou-se uma das principais lendas entre os adeptos das corridas de cavalo. Yeats escolheu corretamente todos os sete cavalos vencedores de Dettori, conquistando um prémio impressionante de 550.000 libras com uma singela aposta de 59 libras.

Estátua de Red Rum em Aintree. Após a vitória o cavalo ainda venceria a competição três vezes. Foto (c) Paul / CC BY 2.0

 

Brian Fletcher (Red Rum) contra Richard Pitman (Crisp) na The Grand National

A The Grand National, disputada em Aintree desde 1839, é um dos eventos de corridas de cavalos mais importantes no Reino Unido e no mundo inteiro, e um dos acontecimentos mais lucrativos desse desporto que movimenta milhões.

Atualmente esta corrida é vista por mais de 500 milhões de pessoas ao redor do globo e o evento é muito popular mesmo entre aqueles que normalmente não assistem ou apostam em corridas de cavalos.

Assim como outros percursos do desporto, essa corrida tem a reputação de ser um dos maiores testes da vida dos competidores, sendo que a maioria falha em completar os dois circuitos necessários. Para se ter uma ideia da dificuldade da prova, em 1928 apenas dois completaram o percurso. E o número máximo de corredores que conseguiram terminar a prova (23) foi alcançado em 1984.

Com a dificuldade dessa corrida devidamente corroborada, não surpreende que a primeira vitória de Red Rum, guiado pelo jóquei Brian Fletcher, na prova de 1973, seja amplamente considerada uma das maiores corridas de sempre. O corcel só conseguiu arrancar a primeira posição de Crisp, guiado por Richard Pitman, nos últimos segundos da corrida e a forma como superou a enorme distância que o separava do rival seria impossível de acreditar se não existissem gravações do feito lendário.

Red Rum ainda venceria a The Grand National mais duas vezes, conquistando o seu espaço na história da modalidade como um dos melhores cavalos que já se viram nas pistas, ganhando até mesmo o direito a uma imponente estátua comemorativa dos seus feitos em Aintree.