Hélder Pereira: “Sem ter um programa, não vou pressionar “Guerreira (IRE)”

Hélder Pereira: “Sem ter um programa, não vou pressionar “Guerreira (IRE)”

Hélder Pereira / Guerreira

“Estamos a treinar com limitações em Portugal, como acontece noutras pistas de corrida, e além disso não estou a pressionar a “Guerreira” porque não sei quando vai correr ou qual será o programa”, diz o treinador português Helder Pereira, que tem agora uma nova dificuldade face à proibição de competir que o Jockey Club estabeleceu para os cavalos não treinados em Espanha, bem como para profissionais com licenças no estrangeiro.

” Vendo o que está a acontecer em França, antecipava que Espanha fechasse a fronteira a estrangeiros” , diz Pereira. “Planeava ir a San Sebastian este Verão (é uma pista de corridas que gosto muito), levar os cavalos e passar lá a quarentena, por isso vou contactar o Jockey Club para ver o que acontece aos portugueses que tiveram cavalos há meses em Espanha.” De qualquer forma, se houver corridas antes de 15 de Junho, haverá muito poucos dias para treinar. É tudo complicado e enquanto não for encontrada uma vacina contra o coronavírus, nenhum hipódromo no mundo voltará ao normal.” Pereira dá-nos novidades sobre a sua campeã Guerreira (IRE), duplo vencedor em Lasarte em 2019, vencedor no Sobrino e segundo no Gran Critérium.

“Sinto o relvado espanhol como o meu e queria participar primeiro com a Guerreira em Madrid, que tem uma magnífica pista de relva, e depois viajar até França, onde deveria estar a 100%, mas agora todo o seu programa foi cancelado e eu não vou pressioná-la. É uma égua de Grandes Prémios e não arrisco com bons cavalos.

Guerreira (IRE) foi adquirida no prestigiado leilão “Guineas Breeze Up Sale” de Tattersalls em Maio 2019 por 4500 Guineas (cerca 5000€). Esta égua foi mais uma aposta em equinos de 2 anos do proprietário dos Arcos de Valdevez, José Assunção.

As corridas de cavalos em Portugal só devem regressar em Setembro.

Categorias: Corridas, Notícias