Cólica – quando se deve chamar o veterinário?

Cólica – quando se deve chamar o veterinário?

Texto: Dr. Henrique Cruz.

A síndrome cólica é relativamente comum nos equinos e significa, tal como em todas as espécies, dor abdominal. É frequente dizer que os cavalos sofrem em silêncio! No entanto no caso das cólicas, os cavalos manifestam sintomas típicos e óbvios, sugestivos deste síndrome.

O grau de dor de cólica varia muito de caso para caso e depende em grande parte da causa e das estruturas afectadas. Em situações de dor ligeira, o único sintoma pode ser apenas um desinteresse na comida ou permanecer deitado quando isso não é costume. Dor média manifesta-se por um raspar frequente no solo, olhar continuamente para os flancos, ou sudação ligeira. Em casos de dor severa, os animais tornam-se irresponsivos e difíceis de controlar, suam excessivamente, deitam-se e rebolam-se continuamente, sendo frequente auto lesionarem-se com escoriações na cabeça e outras zonas do corpo com protuberâncias ósseas.

De um ponto de vista médico-veterinário, as cólicas podem englobar-se em 2 tipos: cólicas médicas e cólicas cirúrgicas. As cólicas médicas são aquelas que respondem favoravelmente ao tratamento médico enquanto as cólicas cirúrgicas requerem cirurgia para a sobrevivência do animal. A distinção entre estes dois tipos de cólica nem sempre é óbvia, sendo que há situações que apesar de poderem ter solução com tratamento médico, por vezes o tratamento por cirurgia é realizado de modo a evitar a deterioração do animal.

Nem todas as cólicas necessitam de ser vistas pelo médico-veterinário. No entanto, como médico-veterinário, eu aconselho sempre os meus clientes a entrar em contacto comigo assim que suspeitem que um cavalo possa estar com cólica. Muitas vezes não é necessária uma visita. Há cólicas que pelo seu grau ligeiro não requerem uma visita de urgência. Ao falar com o cliente sobre os sintomas observados e respectiva duração o médico veterinário pode ficar com uma ideia do grau de gravidade da situação e sugerir uma visita para examinar o cavalo ou pode sugerir antes disso alguns métodos que possam resultar no alívio dos sintomas.

Outra classificação básica dos tipos de cólica baseada na etiologia (causa) pode ser:

1. Cólica espasmódica
2. Cólica por impactação
3. Cólica por torção
4. Cólica por estrangulamento

As cólicas espasmódicas são sem dúvida as mais frequentes e invariavelmente têm resolução espontânea. No entanto devem ser tratadas com medicação de modo a aliviar a dor e providenciar ao cavalo o seu bem-estar o mais rapidamente possível.

As cólicas por impactação geralmente requerem tratamento específico além do controlo da dor. Caso contrário, é típico o cavalo melhorar após a administração de um analgésico voltando a mostrar sinais de desconforto após umas horas. O tratamento consiste na administração de fluidos e electrólitos por via oral e/ou endovenosa

As cólicas por torção e estrangulamento requerem obrigatoriamente tratamento cirúrgico. Nestes tipos de cólica, o grau de dor tende a ser mais severo e a resposta ao tratamento médico é fraca. Quando o médico veterinário examina um cavalo com cólica, recolhe uma série de informações que o ajudam a decidir se a cirurgia é necessária. Conforme foi dito acima, esta decisão nem sempre é óbvia. Por esta razão, penso que em caso de duvida é preferível enviar o cavalo para ser reavaliado num centro cirúrgico do que ficar à espera que a situação se complique e o estado de saúde deteriore ao ponto de uma eventual cirurgia ser depois tarde demais para salvar o cavalo.

Felizmente as cólicas cirúrgicas são dos tipos mais raros de cólica. Estima-se que a maior parte dos médicos veterinários de clínica ambulatória veja uma proporção de 9:1; ou seja em cada 10 consultas de cólica 9 têm tratamento médico e apenas uma requer cirurgia. Uma das preocupações do médico veterinário quando vai examinar um cavalo com cólica deverá ser identificar atempadamente aquela minoria de casos que vão requerer cirurgia para garantir a sobrevivência do animal.

Geralmente é aceitável que o proprietário ou tratador do cavalo administre um analgésico em situações de cólica ligeira, ou enquanto aguarda pela chegada do médico-veterinário. Deve no entanto confirmar com o veterinário qual o melhor medicamente a utilizar, dosagem e via de administração

O que fazer enquanto o veterinário não chega ou enquanto aguardamos a resposta ao tratamento.

Andar com o cavalo à mão pode por vezes providenciar-lhe algum alívio na dor. No entanto, naqueles casos em que o cavalo está deitado mas sossegado, não é essencial força-lo a andar. Não há razão para não deixar o cavalo sossegado na box se ele está a passar por algum desconforto. Se por outro lado o grau de dor for intenso e o cavalo estiver a esponjar-se e rebolar na boxe causando ferimentos devido á falta de controlo, então o andar à mão pode impedir esses ferimentos. Nestas situações o ideal é caminhar num picadeiro ou superfície mole para evitar os traumatismos quando o cavalo se atira para o chão.

Se o cavalo estiver frio, deve ser colocado num local quente e com um cobrejão. Se pelo contrário o animal estiver quente, então se possível deve procurar colocá-lo num ambiente mais fresco.

A maior parte dos cavalos com cólica não mostra interesse em beber ou comer. Normalmente após a administração de um analgésico o cavalo recupera rapidamente o apetite e começa a procurar comida. Até termos a certeza que a ingestão de mais comida não irá piorar os sintomas da cólica, o cavalo deve ser impedido de comer. Em relação à bebida esta regra não se aplica. Um cavalo com cólica deve ter sempre água fresca à disposição! Em situações de clima muito frio, a água deve ser ligeiramente amornada para estimular o animal a beber.

Não é fisiológico um cavalo estar muito tempo sem comer. Tradicionalmente, em toda e qualquer cólica, o cavalo ficava pelo menos 24 horas num jejum completo. Hoje em dia está provado que esta acção é contra-indicada na maior parte dos casos. Deve sem dúvida ter cuidado com a alimentação do cavalo durante um episódio de cólica. No entanto, dependendo dos casos, um pouco de forragem ou pastagem, pode ser benéfico ajudando o cavalo a recuperar a motilidade intestinal.

Em caso de dúvida deve perguntar ao médico-veterinário qual o maneio indicado.

2016.05.23

Categorias: Artigos, Maneio & Técnica