Assembleia Geral da FEI – Saiba algumas novidades…

Assembleia Geral da FEI – Saiba algumas novidades…

São muitas as novidades que serão divulgadas oficialmente pela Federação Equestre Internacional (FEI), após a Assembleia Geral que decorreu de 18 a 21 de Novembro, em Montevideo (Uruguai), onde estiveram representadas 106 federações. Estiveram presentes 63 dirigentes e outros 42 fizeram-se representar. A Federação Equestre Portuguesa esteve ausente desta Assembleia Geral.

Os temas mais debatidos foram as alterações e ajustes no sistema de convites para Concursos Internacionais e os regulamentos nas modalidades de Saltos de Obstáculos, Dressage e Endurance.

Na Dressage, entre vários pontos discutidos destacamos, que serão cortadas as notas finais (andamentos, impulsão e submissão) ficando apenas a posição e o emprego das ajudas do cavaleiro.

Já na Resistência Equestre o peso mínimo diminui de 75 para 70 quilos nas competições internacionais de 3, 4 e 5* e também haverá uma alteração da idade mínima dos cavalos de 8 para 9 anos. Estas são apenas algumas das mudanças que serão implementadas a partir de 1 de Janeiro de 2018 e outras de forma gradual até 2021.

Confira alguns dos temas tratados durante a AG da FEI:

– As equipas nacionais mais bem classificadas nos Jogos Equestres Mundiais de Tryon (EUA), em Setembro de 2018, garantem um lugar em Tóquio 2020; outras duas vagas ficam reservadas para as equipas com a melhor classificação nos Jogos Pan-americanos de Lima (Peru) em 2019. Cada equipa será composta por três atletas. Esta proposta será ainda submetida à aprovação do COI – Comité Olímpico Internacional em 2018;

– Nas Olimpíadas de Tóquio 2020, a Dressage contará com 57 conjuntos na disputa individual e 15 equipas, incluindo a equipa do país anfitrião, que também tem garantido três lugares individuais;

– Ficam habilitados a vaga olímpica atletas com mais de 16 anos (nascidos antes de 31/12/2004) e cavalos com um mínimo de oito anos (nascidos antes de 31/12/2012); os conjuntos terão que conseguir em provas de Grand Prémio a percentagem mínima de 66% na média final e por um juiz 5* em CDI’s de 3, 4 e 5 estrelas, CDI-W ou CDIO. O juiz não pode ser da mesma nacionalidade do atleta;

– Os CDI’s válidos como qualificativas serão divulgados no site da FEI e realizados no período de 01/01/2019 a 18/05/2020;

– As notas finais (andamentos, impulsão e submissão) serão eliminadas, ficando apenas a posição e o emprego das ajudas do cavaleiro;

– A FEI retirou da votação a proposta conhecida por “HiLoDrop” que tinha como objetivo mudar as regras de julgamento das competições de Dressage introduzindo o descarte da maior e da menor nota. A mudança foi sugerida pelo grupo de trabalho de juízes de ensino da FEI (DJWG, dressage judging working group) e vinha sendo discutida nas reuniões técnicas.

Durante a Assembleia Geral, a FEI divulgou números que apontam para o crescimento mundial dos desportos equestres, tanto em número de eventos (+ 8%) como na filiação de atletas na FEI (cerca de 5%). Também durante o evento, o holandês Frank Kemperman foi reeleito presidente do Comité de Dressage para o período de 2017 a 2021.

A Assembleia Geral terminou esta terça-feira à noite (21), e foi seguida do FEI Awards 2017.