Onda de mutilações a cavalos preocupa autoridades francesas

Onda de mutilações a cavalos preocupa autoridades francesas

O Ministério Público francês iniciou uma investigação, esta quarta-feira, após o presidente de um refúgio de animais ter sido atacado por indivíduos que tinham acabado de mutilar um dos seus cavalos e dois póneis em Yonne.

A Federação Equestre Francesa também havia anunciado na semana passada, “face à série de atos de crueldade contra os equinos em todo o país”, que estava a tomar medidas civis ao lado dos donos de cavalos, póneis e burros que foram mortos ou mutilados nos últimos meses. Os investigadores não excluem quaisquer pistas, incluindo a tese do ritual satânico.

Segundo a AFP, o esboço de um dos dois agressores, com idades compreendidas entre os 40 e 50 anos, deveria ser divulgado à imprensa na quarta-feira e a polícia local foram mobilizados, disse à AFP o procurador de Auxerre, Hugues de Phily.

A mesma força policial em Yonne apelou aos proprietários de cavalos para que estejam vigilantes. Vários ataques semelhantes têm tido lugar desde Fevereiro. Um cavalo em Moselle, outro em Vendée, uma égua em Puy-de-Dôme, uma potra em Aisne e um pónei em Somme foram “cruelmente mortos”, descrevem os media locais.

No caso mais recente, por volta da meia-noite de segunda-feira à noite, Nicolas Demajean, presidente de um refúgio para cavalos localizado em Villefranche-Saint-Phal (Yonne), foi acordado por “choros” de animais antes de notar a presença de dois intrusos de quem rapidamente se aproximou, disse à AFP.

Um deles cortou depois o seu antebraço esquerdo com uma corda, antes dos atacantes fugirem. “Consegui estabelecer um esboço”, acrescentou o presidente, que disse ter visto o seu agressor “100%”.

Dois póneis foram esfaqueados, bem como um cavalo de sela, disse Demajean, que teve de ser hospitalizado com uma incapacidade total de trabalho por quatro dias.

“Não há palavras. Isto é barbarismo, crueldade. E um acto gratuito porque estes animais não se podem defender”, disse ele, ainda muito chocado. O caso faz eco da estranha série de mortes violentas de cavalos mutilados em vários departamentos do território nos últimos meses, mas de momento o Ministério Público não tem “nenhuma prova que ligue” os casos que ocorreram nas últimas semanas, disse o Procurador.

A investigação foi confiada à brigada de investigação Auxerre.

Categorias: Internacional, Notícias