JEM 2018: “Foram os piores realizados até agora” Eric Lamaze

JEM 2018: “Foram os piores realizados até agora” Eric Lamaze

O campeão olímpico canadiano, Eric Lamaze, numa publicação no seu Facebook, afirma que os Jogos Equestres Mundiais de 2018 que decorreram em Tryon, Carolina do Norte (EUA), foram os piores alguma vez organizados…

Transcrevemos os comentários de Eric Lamaze:

“Tryon, marcou o meu sétimo Campeonato do Mundo e, na minha opinião, foi a pior organização de sempre. Ouvimos histórias no período que antecedeu os JEM e sabíamos que as instalações estavam longe de estarem prontas, mas ninguém esperava chegar e encontrar um local sujo e inacabado que mais parecia um estaleiro de construção do que um local para praticar desporto. Foi vergonhoso. Parecia que a comissão organizadora tinha feito o mínimo de esforço possível para alcançar os mínimos.

Para mim, isso é inaceitável.

As boxes, a pista de aquecimento e a pista de provas eram adequadas, mas não o suficiente para um Campeonato do Mundo. Existiam muitos lugares vazios e sem qualquer ambiente. Não existiam zonas à sombra para os cavaleiros assistirem às provas. Tínhamos de passar por um estaleiro de obras para chegar à zona VIP, e os preços cobrados pela comissão organizadora eram completamente inaceitáveis em comparação com o que se oferecia. A zona VIP era vergonhosa em comparação com a de qualquer outro Campeonato do Mundo.

O pior de tudo foi o facto dos melhores cavalos de saltos do mundo terem sido obrigados a competir durante o período mais quente do dia DURANTE OS TRÊS DIAS SEGUIDOS. Isso revelou-se uma total falta de noção de respeito e segurança na equitação e não era adequado tanto para cavalos como para cavaleiros. Nos JEM do Kentucky em 2010, tiveram a meteorologia em consideração ao planear o horário e tivemos provas noturnas que resultaram muito bem. Em Tryon, não consideraram o factor calor e nem fizeram nada para o enfrentar.

Culpar o furacão por todos os problemas que enfrentámos não é uma desculpa válida. Houve falta de esforço, falta de entendimento da equitação e falta de compreensão do que é preciso para organizar um Campeonato do Mundo, e uma completa falta de noção do que é necessário para que todos se sintam bem por estarem ali, desde os proprietários, cavaleiros, patrocinadores e o público em geral.

Excluindo o local, acredito que foi um ótimo desporto praticado em igualdade de condições. Parabéns aos EUA pela conquista de um campeonato inacreditável. Quem ganhar o título de Campeão do Mundo realmente merece-o. Todo o crédito vai para os cavaleiros, e não para o local.

Quero congratular os meus colegas de equipa e o trabalho duro que tiveram para formar a melhor equipa possível. O nosso objetivo era estar entre as seis equipas para ganhar a qualificação olímpica, não conseguimos. Eu não fiz o meu melhor no primeiro dia, infelizmente, mas estou muito orgulhoso da minha aluna, Kara Chad, por ter feito uma óptima prova no segundo dia para nos manter na competição. A experiência que ela ganhou foi inacreditável. A jovem égua Bardolina de Mario Deslauriers ganhou experiência que nos irá ajudar daqui a duas semanas na Final da Taça das Nações em Barcelona.”