Guerreiro Viking sepultado com dois cavalos, afinal era uma mulher…

Guerreiro Viking sepultado com dois cavalos, afinal era uma mulher…

Katheryn Winnick: a Lagertha, de "Vikings

Inspirada na história e nas lendas da Escandinávia Medieval, a série de TV “Vikings” sobre guerreiras como Lagertha, a primeira esposa do famoso rei viking Ragnar Lothbrok (D. 840 ou 865) pode bem ser verdade…

Novas provas de ADN descobertas por investigadores da Universidade de Uppsala e da Universidade de Estocolmo, ambas na Suécia, provam que havia mulheres guerreiras entre os Vikings.

Os restos de uma sepultura revelaram que a guerra não era uma actividade exclusiva dos homens, e que as mulheres podiam inclusivamente ocupar as fileiras mais altas do campo de batalha e postos de comando na hierarquia militar.

O estudo foi conduzido numa das sepulturas mais conhecidas da Era Viking, de meados do século X, que se encontra na cidade sueca de Birka. O local do funeral viking foi escavado por Hjalmar Stolpe em 1889, revelando restos de um guerreiro rodeado de armas, incluindo uma espada, flechas, armadura e dois cavalos.

A morfologia de algumas características do esqueleto encontrado na sepultura sugeria que se tratava de uma mulher, mas como a tumba pertencia a um guerreiro viking, sempre foi assumido que o esqueleto era um homem.

Agora, geneticistas e arqueólogos trabalharam juntos para retirar uma amostra de ADN da tumba, demonstrando que o indivíduo tem dois cromossomas X e nenhum cromossoma Y. “Esta é a primeira confirmação formal e genética de uma guerreira viking”, declarou o geneticista Mattias Jakobsson, da Universidade de Uppsala.

As análises de isótopos confirmaram também que a guerreira tinha um estilo de vida itinerante, consistente com a sociedade marcial que dominava o norte da Europa nos séculos VIII a X. Os objectos encontrados indicam que a mulher era uma comandante, que lidava com tácticas e estratégia militar, e que liderava tropas em batalha.

“O que estudámos não era uma Valquíria da mitologia, mas um líder militar da vida real, e era uma mulher”, afirmou Charlotte Hedenstierna-Jonson, da Universidade de Estocolmo, que liderou o estudo.

“Fontes escritas mencionam ocasionalmente mulheres guerreiras, mas esta é a primeira vez que descobrimos evidências arqueológicas convincentes da sua existência”, complementou o arqueólogo Neil Price, da Universidade de Uppsala.

Categorias: Notícias, Sociedade