Gala de Maio da Escola Portuguesa de Arte Equestre

Gala de Maio da Escola Portuguesa de Arte Equestre

Vai ter lugar, na próxima 6ª feira, dia 26 de Maio, às 19horas, no Picadeiro Henrique Calado (Calçada da Ajuda, junto ao nº23, em Belém – Lisboa) a Gala de Maio da Escola Portuguesa de Arte Equestre (EPAE).

Este espetáculo, que recria as seculares tradições da arte equestre portuguesa, assume-se de particular interesse, nomeadamente porque assinala a estreia de um novo cavalo – Dihego – nas exibições a solo.

Esta é uma oportunidade para conhecer o trabalho dos cavalos e cavaleiros da EPAE, considerada Património Nacional, e uma das melhores escolas equestres do mundo, dando continuidade ao que foi a Academia Equestre criada pelo Rei D. João V no séc. XVIII. Os espetáculos revestem-se de grande qualidade artística ao recriarem de forma fidedigna um dos passatempos favoritos da corte da época: a equitação.

Considerada Património Nacional, e uma das melhores do mundo, a Escola Portuguesa de Arte Equestre é a continuação do que foi a Academia Equestre criada pelo Rei D. João V no séc. XVIII, e os seus espetáculos são uma recriação de um dos passatempos favoritos da corte da época: a equitação.

Fotos: (c) Rita Fernandes for Lusitano World.


Sobre a Gala que assinala o fim do mês de Maio

Aliando uma criteriosa escolha musical a um jogo de luzes e efeitos luminotécnicos especificamente desenhado para o evento, a Gala constitui um espetáculo no qual os cavaleiros envergam o traje de gala, do qual se destaca o tricórnio de feltro preto, casaca comprida de veludo bordeaux, com gola preta e galão dourado e preto e as polainas em couro pretas.

Os cavalos, de raça puro sangue Lusitano e provenientes exclusivamente da Coudelaria de Alter Real, apresentam-se entrançados com trança à portuguesa, de três pontas, e enfitados com fitas de seda, sela à portuguesa coberta de pele de anta ou camurça, dando assim um especial glamour às exigentes técnicas de equitação da época barroca.

Sobre a Escola Portuguesa de Arte Equestre

A Escola Portuguesa de Arte Equestre, sediada nos jardins do Palácio Nacional de Queluz, foi fundada em 1979 com a finalidade de promover o ensino, a prática e a divulgação da Arte Equestre tradicional portuguesa. Recupera a tradição da Real Picaria, academia equestre da corte portuguesa do século XVIII, que usava o Picadeiro Real de Belém, hoje Museu Nacional dos Coches, e monta exclusivamente cavalos lusitanos da Coudelaria de Alter.

A gestão da Escola Portuguesa de Arte Equestre foi entregue pelo Governo à Parques de Sintra em setembro de 2012, juntamente com a gestão dos Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz.
www.arteequestre.pt / www.facebook.com/escolaportuguesadearteequestre  / www.instagram.com/arte.equestre/

Sobre a Parques de Sintra – Monte da Lua

A Parques de Sintra – Monte da Lua, S.A. (PSML) é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade. Não recorre ao Orçamento do Estado, pelo que a recuperação e manutenção do património que gere são asseguradas pelas receitas de bilheteiras, lojas, cafetarias e aluguer de espaços para eventos.

Em 2016, as áreas sob gestão da PSML (Parque e Palácio Nacional da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d’Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Escola Portuguesa de Arte Equestre) receberam 2.625.011 visitas, cerca de 83% das quais por parte de estrangeiros. Recebeu, em 2013, 2014, 2015 e 2016, o World Travel Award para Melhor Empresa em Conservação.

São acionistas da PSML a Direção Geral do Tesouro e Finanças (que representa o Estado), o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, o Turismo de Portugal e a Câmara Municipal de Sintra.
www.parquesdesintra.pt ou www.facebook.com/parquesdesintra

Os bilhetes podem ser adquiridos em http://arteequestre.pt/bilheteira/ , no Picadeiro Henrique Calado, ou nos locais habituais.