Cavalos malhados da gruta de Pech Merle

Cavalos malhados da gruta de Pech Merle

Os artistas das cavernas não são conhecidos pela sua precisão, e os arqueólogos ainda discutem se as pinturas pré-históricas seriam simbólicas ou reproduções fiéis dos animais.

As criaturas pintadas nas paredes da gruta de Pech Merle (em baixo), em França, remontam a 23 mil a.C. e representam equídeos que vagueavam pela Europa há milénios, mas estão por explicar as manchas no seu dorso.


Embora se pensasse que as pelagens malhadas só existiam em raças modernas, o genótipo apareceu frequentemente em análises de DNA feitas a ossos de cavalo do Plistocénico na Europa Ocidental. Isto significa que os primeiros seres humanos fizeram “observações muito correctas do seu ambiente”, sugere Arne Ludwig, do Instituto Leibniz para a Investigação Zoológica e de Vida Selvagem.

Texto: Amanda Fiegl

Categorias: Notícias, Sociedade