Arqueólogos encontram evidência de equitação na Idade do Bronze

Arqueólogos encontram evidência de equitação na Idade do Bronze

Com a descoberta dos restos mortais de cavalos no Cazaquistão, os arqueólogos chegaram a uma conclusão inédita.

Arqueólogos da Universidade South Ural State analisaram ossos de cavalos encontrados num monte na cidade de Lisakovsk (Cazaquistão) na Ásia Central. De acordo com estes especialistas, os animais possivelmente eram usados por cavaleiros muito antes do que se pensa. As informações são do portal Phys.org.

De acordo com a descoberta, os arqueólogos acreditam que há cerca de 3.500 anos, as pessoas que viviam naquela região utilizavam os cavalos não apenas para a alimentação e criação, mas também para serem usados na equitação.

Os cavalos tinham entre 18 e 20 anos quando morreram, junto com os animais foram encontradas “rédeas” antigas. Devido à idade avançada dos animais, os especialistas acreditam que eles tenham sido sacrificados pelo seu dono — que provavelmente cuidou deles durante esse tempo.

Nas suas análises, os cientistas descobriram outro facto intrigante: mudanças no formato do crânio dos animais — que indicam o uso destes  cavalos por cavaleiros.

Sabe-se que a equitação foi de extrema importância para a história da humanidade, mudando a forma como as guerras e lutas foram conduzidas ao longo dos anos, entretanto, esta evidência da prática da equitação, é a mais antiga revelada.

“A data aceite para a formação da equitação é de cerca de 900 a.C. Os nossos materiais sugerem que cavaleiros armados que lutavam a cavalo pode, ter aparecido nas estepes da Eurásia em 1.600 a.C” afirmou o arqueólogo, Igor Chechushkov.

Categorias: Notícias, Sociedade