Vimeiro Investe no Hipismo

Vimeiro Investe no Hipismo

Engº António Macedo e Claudia Santos Cruz

Texto: Claudia Santos Cruz (Consultora Jurídica da Equisport).

A pedido da Equisport foi por várias razões um prazer aceitar o convite do Centro Hípico do Hotel Golf Mar para assistir ao XXII Concurso de Saltos Nacional A que teve efeito no passado fim-de-semana no Vimeiro. A minha tarefa era entrevistar o director do concurso, Eng.º António Macedo, e fazer uma apreciação global dos melhoramentos e alterações feitas no recinto e na organização geral dos concursos, que realizou este ano o seu primeiro concurso internacional de nível três estrelas.

Foi uma missão interessante para mim uma vez que tinha assistido anualmente aos concursos hípicos realizados no Vimeiro entre 1987 e 2000, não tendo regressado desde então. Além disso, assisti a vários concursos hípicos no Reino Unido onde estive a residir até 2005. Mesmo assim, nada me poderia ter preparado para a perspectiva da nova gerência do Centro Hípico do Hotel Golf Mar, pertencente desde 2001 ao Grupo Espírito Santo, Empresa das Águas do Vimeiro, com as alterações muito significativas feitas neste estabelecimento e na sua organização.

Além do grande investimento, que é óbvio nas instalações e novas infra-estruturas, é bem visível que uma das forças impulsionadoras é o empenho e entusiasmo do Eng.º António Macedo  e, nas suas palavras, “da sua equipa multidisciplinar e dedicada”, ao longo dos últimos 4 anos.

Explicou-nos as alterações que introduziu até ao momento e os planos para o futuro. As primeiras incluíram uma significativa movimentação de terrenos, o que aumentou a área disponível para 210 boxes desmontáveis (montadas durante os concursos), além das 70 boxes permanentes já existentes; e também na criação de mais espaços de estacionamento delineados para camiões e roulotes de cavalos. Percorremos a pé este novo espaço onde verificámos que a segurança, higiene e bem-estar geral dos cavalos ali estabulados era uma prioridade desta organização.

Decorrem presentemente negociações, que se espera estarem concluídas até ao final do ano, para que o Centro Hípico adquira o terreno adjacente ao actual campo de aquecimento onde se encontra o buraco nº 8 do golfe. O Eng.º António Macedo explicou que esta área adicional servirá para expandir o campo de obstáculos e de aquecimento e permitirá investir em outras infra-estruturas permanentes tais como bancadas fixas para os espectadores e mais bares e restaurantes para o público e cavaleiros. Outra nota evidente na estratégia de desenvolvimento é a noção de que o sucesso dos concursos e deste projecto está intimamente ligado à inter-relação entre os média, patrocinadores, cavaleiros e espectadores.

A força do uso dos média como um instrumento cativante é notória em todos os aspectos, desde as webcams que transmitem imagens “ao vivo” directamente para os televisores dos quartos do hotel, para o website do Centro Hípico e para monitores colocados estrategicamente no recinto do concurso; o gabinete da imprensa com funcionamento permanente que prepara relatórios e emite resultados em contínuo; stands de patrocinadores alinhados ao longo da pista de provas; patrocínios de emissoras de rádio e parcerias com agências televisivas para a transmissão das provas. Torna-se claro que os êxitos alcançados até ao momento e o relacionamento com os patrocinadores estão fortemente associados ao aumento do interesse do público em assistir às provas.

Com este objectivo, foram introduzidas uma série de utilidades e atracções, incluindo o “Kids Centre” com actividades organizadas para as crianças, sendo o ponto alto poderem montar os póneis diariamente no picadeiro coberto. Têm-se também desenvolvido esforços para introduzir provas com um maior grau de diversão de modo a tornar as competições mais atractivas e divertidas para o público menos conhecedor. No mesmo sentido também se convidaram algumas celebridades para assistir às provas; fizeram-se entregas de prémios aos cavaleiros por paraquedistas (!); organizaram-se concertos e foi estabelecido um restaurante e bar VIP para convidados e actividades de “corporate hospitality”.

Na óptica comercial do Eng.º António Macedo, embora o projecto tenha como prioridade assegurar um alto nível de qualidade independentemente da categoria do concurso, a sua equipa está também a gerir um negócio. Era óbvia a atenção ao pormenor e o conhecimento sobre tudo o que se estava a passar em qualquer momento nas instalações do concurso. A gerência discute individualmente com cada patrocinador a visibilidade requerida em termos de exposição ao público, colocação estratégica de material publicitário, tempos de antena para rádio e televisão, e o melhor modo de alcançar estes objectivos.

Tendo em conta que o número de espectadores que vem assistir às provas principais oscila entre os 4 e 5 mil, os patrocinadores devem estar satisfeitos com o bom retorno sobre o investimento feito, garantindo assim a continuidade deste projecto.Em relação ao Hotel Golf Mar, são bem visíveis não só as renovações recentes mas também o programa existente de renovação contínua. Devido à sua excelente localização, ambiente informal e possibilidade de gozar alguns dias de férias dentro do calendário de provas, os concursos do Vimeiro são agora dos preferidos para a maioria dos cavaleiros. Com todas as melhorias e modificações, não surpreende que o Centro Hípico tenha passado a organizar 6 concursos anualmente em vez de um só, como dantes se fazia e que tenha regularmente uma lista de espera tanto de cavaleiros portugueses como internacionais, a querer competir nestes concursos.

Do mesmo modo que fiquei impressionada com todos os aperfeiçoamentos, também foi um prazer rever algumas caras do passado tais como o Eng.º Pedro Dória, Major Joaquim Simões Pereira e João Bourbon, entre outros, que começaram e deram continuidade a este projecto desde a década de 70. Pareceu-nos que toda a equipa estava empenhada no sucesso deste concurso e que acreditam que a expansão proposta, alinhada a futuros investimentos, irá proporcionar as condições necessárias que permitam a esta organização, num futuro não muito distante, organizar um concurso de saltos internacional de nível cinco estrelas.Certamente esta é uma história de sucesso em desenvolvimento para ser observada e seguida e também um ímpeto desejado para o hipismo em Portugal.

No passado domingo, 27 de Agosto, durante a minha visita, tive a oportunidade de assistir ao Grande Prémio, patrocinado pela empresa Águas do Vimeiro. Esta prova foi brilhantemente ganha por Mário Wilson Fernandes montando RENDEZ VOUS SPIEVELDHOF. Este foi o único conjunto a limpar as duas mãos, tendo sofrido apenas 1 ponto por excesso de tempo na segunda mão. Os únicos percursos sem faltas na segunda mão foram o de João Pedro Marmelada com DEUXIEME ESPOIR e o de João Chuva com PLUCO T, o primeiro ligeiramente mais rápido que o segundo. No entanto os 4 pontos que ambos traziam da primeira mão fizeram com que estes conjuntos terminassem em segundo e terceiro lugar respectivamente. A prova consistiu numa tabela A ao cronómetro em duas mãos. O percurso estava bem desenhado e adequado ao nível dos participantes. Um dos obstáculos favoritos da assistência foi sem dúvida a vala de água que causou alguma emoção principalmente na bancada norte. O calendário de provas para 2006 inclui o XXIII CSN-A, de 31 de Agosto a 3 de Setembro, e o I CSIV-B (Internacional de veteranos) de 4 a 8 de Outubro.

O programa das provas pode ser consultado em www.csivimeiro.com

Categorias: Actualidade, Artigos