Fisioterapia Equina: A Hidroterapia

Fisioterapia Equina: A Hidroterapia

Dr. Carlos Rosa Santos (MV).

A Hidroterapia está a tornar-se cada vez mais popular não só como ajuda terapêutica mas também como um método muito válido no treino do atleta equino quando usado conjuntamente com métodos mais clássicos. A resistência que a água apresenta massaja e melhora o tónus muscular dos membros enquanto o movimento que o cavalo executa para se movimentar neste meio trabalha os músculos do dorso, dos posteriores e do peito. O movimento da água alivia membros inflamados e doridos e ajuda na recuperação das lesões musculares, especialmente se o volume de água utilizado é suficiente par ajudar a suportar o peso do animal.

Muitos treinadores de cavalos de corridas vivem perto do mar pois acreditam que os cavalos a seu cargo beneficiam de passeios à beira mar desde que a areia seja firme de modo a que os cavalos não percam ferraduras ou danifiquem tendões. As propriedades anti-sépticas e adstringentes da água do mar são ajudas preciosas na redução de edemas e em infecções.

A natação em piscinas apropriadas é um auxiliar precioso no desenvolvimento do sistema respiratório e cardiovascular. As articulações são movimentadas, os músculos tonificados sem terem de suportar o peso do cavalo. É sem dúvida a opção ideal para um animal que se queira manter em forma mas cuja lesão num membro desaconselha o suporte do peso do corpo. A natação previne também a atrofia muscular generalizada por falta de utilização de muitos outros músculos. Na recuperação de lesões tendinosas é hoje o tratamento de eleição, quando possível. No entanto, atenção, a falta de força exercida sobre os membros pode ser prejudicial, ou seja, os ossos, articulações, ligamentos e tendões ficam enfraquecidos se não são suficientemente utilizados em terra firme possibilitando assim a ocorrência de uma lesão pelo simples facto de não estarem suficientemente preparados para tal utilização.

É importante lembrarmo-nos que a natação não é uma situação natural para o cavalo. Os cavalos em estado selvagem evitam a travessia de um rio ou de uma lagoa se o puderem. O cavalo fica rapidamente exausto na água, por vezes posicionando-se assimetricamente. Quando isto acontece ou quando só utiliza os anteriores para nadar origina uma tonificação desigual dos músculos envolvidos no movimento. Raramente os cavalos submetidos a esta terapia entram em “stress” mas quando acontece, aparece a hemorragia pulmonar pós exercício. Pensa-se que esta hemorragia seja o resultado de ritmo cardíaco muito alto associado à necessidade de manter a cabeça muito elevada.

Hoje em dia está-se a utilizar mais o meio-termo ou seja o tapete rolante dentro de água, a versão moderna da natação no mar, em que o cavalo ainda consegue tocar com os cascos no tapete mas os músculos têm que vencer a resistência da água que por sua vez suporta a maior parte do peso do corpo. É a combinação das vantagens da natação com as do exercício no plano.Em resumo, podemos dizer que os benefícios da natação são cada vez mais reconhecidos pretendendo este método ser apenas uma opção a ser utilizada conjuntamente com outras mais tradicionais.

Categorias: Artigos, Maneio & Técnica